Reunião com o Secretário não teve proposta

Em reunião hoje entre o Secretário da Justiça e Defesa da Cidadania, a Comissão de Funcionários e Sispesp não houve proposta concreta.

O Secretário afirmou que pode manter de pé reposição de 5,22% e tentar aplicar 9,04% sobre os valores dos vales refeição e alimentação.  Disse ainda que terá uma reunião com o Comissão de Política Salarial (CPS) e Secretaria de Gestão e Planejamento, onde irá reapresentar os argumentos para tentar viabilizar uma proposta mais adequada que possa por fim a greve. Mas sem promessas.

Foi apresentado a ele um estudo feito pela Associação (Alexandre) no qual demonstra que com apenas 6% da folha de pagamento poderia amenizar os prejuízos e atender alguns dos pleitos dos funcionários.

Como se trata de um estudo com números aproximados, o Secretário solicitou que fosse enviado ao RH do Procon para melhor detalhar e que iria levar para apresentar na reunião com a CPS. enviamos ao RH e a Diretoria Executivo.  Mas já haviam nós informado de que seria necessário mais de um  dia para fazer o levantamento preciso. Assim, esperamos que o Secretaria faça uso do nosso levantamento para sustentar seus argumentos e nos apresente alguma coisa. (esperança). Vejam AQUI.

Também foi  apresentado o que representa os cargos comissionados de assessores técnicos na folha de pagamento e quanto seria economizado se fossem ocupados por funcionários de carreira.  Vejam AQUI.

A reunião foi encerrada e ficamos na mesma. Em greve e mantendo a expectativa de que a mobilização e a pressão crescente traga um pouco de bom senso aos gestores do Estado.

2 comentários em “Reunião com o Secretário não teve proposta

  1. Não vejo a pertinência de discussão de tal assunto no movimento grevista. Tais cargos são de indicação, não cabendo a Associação de escolher os integrantes. Tal assunto está fora da capacidade jurídica da Associação pata discutir na greve, escapando do foco principal da mesma. Retirando os cargos indicados pelo governador, quem iriam ser colocados nos respectivos lugares? Escolha feita por quem? Concurso interno?(provavelmente não, né?) Provavelmente as pessoas que defende está ideia são as mesmas que querem ocupar tais cargos. Concordo com a briga a respeito dos valores pagos, mas não no bojo do corpo diretivo.
    Tal suposta economia financeira, não pode ser o foco principal da greve, pode estar na lista com o restante dos pedidos. Outros pedidos são mais importantes, como quadro de carreira, a diferença salarial de supervisores e coordenadores, comparada aos integrantes(funcionários) do setor, redução da carga horária dos especialistas do Poupatempo ou falta de diferença salarial dos especialista e tecnicos, aumento vale refeição e alimentação, entre outros… Agora, “direção técnica” na pauta de discussão, está fora do foco. Aposto que os apoiadores desta medida são os mesmos que se abstiveram da última greve, mas como perderam os cargos, querem retornar aos mesmos.

  2. Caro Neto Junior,
    Não está fora do foco da greve tal discussão. O que pretendemos é demonstrar concretamente ao governo e a Secretaria que verba existe para a reposição da inflação. A questão é política e de prioridades. Enquanto há gastos com cargos políticos, muitos desnecessário uma vez que sequer cumprem as funções que lhes são devidas, além de gastos outros que poderiam ser utilizados para melhorar as condições salariais dos servidores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *